Batalhas de 2019: sua empresa está preparada para enfrentá-las?

Batalhas de 2019: sua empresa está preparada para enfrentá-las?

Estabelecer objetivos é muito simples. Dizer, por exemplo, que a sua meta para 2019 é emagrecer 10 quilos é fácil. Cumprir essa meta, no entanto, é bem mais complicado e requer um esforço e comprometimento contínuos. Na sua empresa isso não é diferente. Pensando em instruir organizações a entender melhor seu ambiente externo para assim crescer, Peter Killing e Thomas Malnight escreveram o livro “Must-Win Battles: How to Win Them, Again and Again”, onde criaram a metodologia chamada Must Win Battles (MWB), cujo objetivo é basicamente este: garantir que o Planejamento Estratégico da empresa seja de fato seguido e, consequentemente, seus objetivos sejam cumpridos.

O grande diferencial da metodologia do Must Win Battles é conseguir mostrar exatamente o que precisa ser feito na empresa para que ela cumpra seus objetivos finais ou, como diz o livro, mostra quais batalhas a empresa precisa enfrentar para vencer suas guerras. Antes de entender quais são essas batalhas e guerras e como elas devem ser estruturadas, é importante ressaltar que para alcançar um sucesso a longo prazo, é necessário ter resultado nas ações de curto prazo. E dentro dessas ações de curto prazo, devem ser definidos entre 3 a 5 objetivos.

Portanto, tendo o MVV (Missão, Visão e Valores) como referência, é possível perceber que existem duas de frentes que precisam ser seguidas para atingir os resultados que a organização espera: as de longo prazo e as de curto prazo. Ao realizar um Must Win Battles, deve-se entender que esta metodologia divide os objetivos da empresa em: Guerras e Batalhas, as primeiras estão relacionadas com o objetivo macro, este deve ser único e muito bem definido; e dentro deste há as batalhas, que são metas menores e mais tangíveis que precisam ser cumpridas para se sair vitorioso no final.

Para se ter um bom Must Win Battles, as batalhas devem seguir alguns pilares:

  • Conectado com o PE: um MWB deve ser pautado nos objetivos que a empresa apresenta no seu Planejamento Estratégico. É importante que eles sejam voltados para a atual realidade da empresa e, por isso, devem ser feitos para um período de até 5 anos;
  • Focado no Mercado: a empresa precisa compreender em qual mercado ela atua para que assim seja possível analisar os dados e o histórico, em relação à sazonalidade e às tendências para que, assim, consiga realizar um Plano que tenha sentido com o Mercado;
  • Criar motivação: para que as guerras e as batalhas se tornem parte da rotina dos funcionários, é importante que as metas, os objetivos e os indicadores sejam alcançáveis e façam sentido para a realidade da empresa e dos funcionários, de forma a garantir a motivação de todos;
  • Ser específico e tangível: juntamente com a motivação, é necessário que o MWB seja específico e tangível, pois é fundamental que os resultados de sua aplicação sejam mensurados;

Entrando no mérito de como realizar um Must Win Battles, deve-se seguir quatro passos:

  1. Criar um Mantra: um mantra está relacionado com uma frase que possui de 3 a 5 palavras que consegue resumir todo o sentimento que se passa pela a empresa.
  2. Definir 3 a 5 MWB: tendo em vista todo o Planejamento Estratégico que foi tomado como premissa, é importante criar uma metodologia que esteja de acordo com tudo que foi planejado. Como dito acima, será necessário definir entre três a cinco aspectos que serão enfrentados neste momento, ou seja, as Guerras. E dentro de cada uma dessas, devem ser definidas as Batalhas que vão estar relacionados com tudo que já havia sido proposto.
  3. Definir 1 a 3 motivos para cada Batalha: para cada Batalha definida, é importante que o real intuito dela esteja explícito para todos na empresa. Esta etapa é fundamental, principalmente por conseguir visar e frisar tudo que já foi contemplado anteriormente, como a motivação dos funcionários.
  4. Definir até 3 atividades-chave para o fim: com o intuito de conseguir fazer com que cada motivo seja colocado em prática, é importante que elas estejam relacionadas com o fim esperado. Considerando, por exemplo, a OMI (Objetivos, Metas e Indicadores), as atividades-chave para o fim são os Indicadores, que vão fazer com que tudo que foi abarcado seja mensurado e, portanto, definido.

 

 

Tendo em vista tudo que foi passado acima, uma dica que faz com que este projeto seja realizado de forma mais efetiva é a aplicação de Facilitações, ou seja, reuniões focadas com o intuito de trazer para a organização a visão e a percepção de todos os funcionários que trabalham na mesma. Dentro dessas, podem ser realizados alguns processos criativos, que serão o ponta pé inicial para conseguir montar este primeiro momento de uma maneira mais fácil. Um exemplo é o Brainstorming, que apresenta por trás algumas “regras” que devem ser seguidas para realizar este momento da melhor maneira; algumas delas são: apresentar sempre um facilitador responsável por fazer com que todo o processo ocorra de forma correta, evitando dispersões e, principalmente, interrupções, uma regra básica dessa metodologia. Uma boa prática é sempre estipular tempos para cada etapa do processo e, assim, segui-los com consciência.

Durante um processo de facilitação da construção da sua estratégia, é interessante que se busque sempre entender insumos de todos os colaboradores da sua empresa, todos os sentimentos, vontades, angústias e sonhos devem ser levados em consideração para moldar o futuro da empresa. Uma forma de realizar essa coleta é rodar um  questionário perguntando sobre qual seria a melhor experiência possível que um funcionário poderia ter naquele ano, e, assim, desdobrar as batalhas e consequentemente, as guerras, para atingir essa experiência. É válido lembrar do alinhamento entre o propósito pessoal com o propósito da sua empresa! Quando uma pessoa entende que está fazendo um trabalho coerente com seus objetivos pessoais, os resultados tendem a ser bem mais constantes.

Assim, com a aplicação da metodologia Must Win Battles e o acompanhamento de sua efetividade, a curto e a longo prazo, é possível trazer resultados cada vez mais destrinchados e precisos para cada área da empresa e assim garantir o alinhamento dos os membros de acordo com seus desejos futuros.

 

Mariana Aires, nascida em Brasília, aluna de Engenharia de Produção da UnB, membro do Grupo Gestão desde 2018. Vivendo através do impacto que o MEJ proporciona.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem somos

Parte do Movimento Empresa Júnior, o Grupo Gestão é uma organização sem fins lucrativos, formada por alunos da Universidade de Brasília, com o propósito de impactar a sociedade através de uma consultoria empresarial inovadora.

BAIXE AQUI