Entenda a importância do Controle de Estoque para sua empresa

Entenda a importância do Controle de Estoque para sua empresa

Um estoque, de maneira geral, representa os produtos que estão armazenados em um determinado local, de maneira improdutiva, por um certo período de tempo – até serem utilizados ou vendidos. Para manter um estoque, são necessários investimentos constantes e altos custos de manutenção, de forma que, ter um estoque onde os produtos ficam armazenados por muito tempo, ou seja, possua um giro relativamente baixo, pode trazer grandes prejuízos para o negócio.

Desse modo, é imprescindível que a organização possua uma gestão de estoque eficiente. O controle de estoque consiste no planejamento e no gerenciamento de mercadorias que entram e saem de uma empresa, o que facilita as tomadas de decisões com relação ao negócio, além de minimizar os custos gerados pelo estoque. Outras vantagens desse gerenciamento são:

  • Gestão de produção eficiente
  • Espaço organizado e otimizado
  • Redução de desperdícios
  • Vantagem competitiva em relação aos concorrentes.

 

A partir das vantagens apresentadas acima, nota-se a importância do gerenciamento de estoque, mas afinal, quais são os métodos de controle de estoque? Existem diversas maneiras, dentre as quais estão:

 

PEPS (FIFO)

Essa sigla significa “primeiro a entrar, primeiro a sair” – do inglês “first in, first out – e é o modelo mais utilizado pelas empresas. Assim, essa metodologia visa garantir que as mercadorias mais antigas sejam vendidas primeiro. Além disso, o custo do estoque é calculado dos produtos mais antigos para os mais novos, o que possibilita uma maior precisão no que diz respeito ao custo real e ao lucro obtido pelas vendas. Outras vantagens de adotar a PEPS são: a presença de um fluxo lógico e sistemático de mercadorias, o que evita a perda de produtos devido ao prazo de validade, e a existência de um espaço mais organizado, aonde os itens mais antigos se encontram em um local mais acessível, pois são os primeiros a serem vendidos. Essa organização também pode ser auxiliada pela etiquetação dos produtos.

 

UEPS

Esse modelo de gerenciamento estratégico consiste no “último a entrar, primeiro a sair”. A UEPS é a metodologia contrária a PEPS, pois as primeiras mercadorias vendidas são as mais novas presentes no estoque. É importante ressaltar que nesse método, o custo do estoque é baseado no custo dos produtos mais novos, uma vez que eles estão relacionados aos gastos mais recentes da empresa. Além disso, outro aspecto relevante, é o cuidado que a empresa deve apresentar ao aplicar o UEPS, pois caso o giro de estoque seja baixo, produtos que apresentam prazo de validade curto podem ser perdidos.

 

PVPS

Essa sigla significa “Primeiro a vencer, primeiro a sair”. Esse modelo de gerenciamento de estoque não segue a ordem de entrada da mercadoria, e sim o prazo de validade. O PVPS é muito utilizado em indústrias de produtos perecíveis e a organização do local de armazenamento é de extrema importância para a eficiência desse modelo. Sendo assim, a etiquetação e a forma como as mercadorias estão dispostas nas prateleiras são alguns exemplos de como deixar os produtos que possuem um menor prazo de validade em evidência.

 

Custo Médio

Essa metodologia também é conhecida como a Média Ponderada Móvel. Diferentemente do PEPS e do UEPS, os quais calculam o custo do estoque por meio do custo das mercadorias mais antigas ou das mais novas, o modelo do Custo Médio faz esse cálculo por meio da média ponderada de todos os valores. Além disso, esse cálculo é refeito sempre que há a reposição do estoque.

Curva ABC

Esse método também é conhecido como a Análise de Pareto ou a Regra 80/20. Um exemplo muito utilizado para representar essa regra é que 80% do lucro de uma empresa é gerado por 20% de seus produtos. Assim, essa metodologia é muito utilizada para mensurar quais são os produtos que mais impactam no faturamento e no lucro de uma empresa, sendo de extrema importância no gerenciamento de estoque, pois estabelece quais são os produtos que a organização deve priorizar. Nessa análise, há os produtos do tipo A, os quais correspondem a uma pequena parcela do estoque, mas que são responsáveis pela maior parte do faturamento e do lucro da empresa. Também existem os produtos do tipo B, que representam uma parcela intermediária das mercadorias e possuem uma importância significativa no faturamento. E por fim, há os produtos tipo C, os quais constituem a maior parte do estoque, porém não possuem muito impacto no faturamento.

 

Just in Time

Essa metodologia se baseia na produção sob demanda, ou seja, é feita de acordo com a procura pelo produto. Desse modo, é importante ressaltar, que ao se adotar este modelo, é necessário que o gestor tenha uma logística muito bem estruturada, a fim de garantir que um produto não deixe de ser vendido devido a sua falta no estoque. Outros aspectos significativos sobre esse método de gerenciamento são as vantagens que ele apresenta, as quais incluem redução de custos relacionados ao estoque, redução de desperdícios e aumento da flexibilidade.

 

Esses são os principais métodos de gerenciamento de estoque que auxiliam a organização a ter uma produção constante e assegurar a independência entre as etapas produtivas. No entanto, é de extrema importância que a empresa aplique outros conceitos para garantir um bom gerenciamento de estoque, tais quais:

 

  • Lote Econômico de Compra (LEC): é a quantidade ideal de produtos que deve ser pedida, a fim de reduzir os custos de manutenção de estoque e o custo de pedido da mercadoria.

 

  • Ponto de Pedido: É a quantidade de itens que o estoque deve conter, que ao ser alcançada, deve-se realizar o pedido de reposição do produto.

 

  • Estoque Mínimo ou de Segurança: é a quantidade que deve ser mantida em estoque de forma a assegurar que, caso haja imprevistos e variações de demanda, o produto ainda seja vendido. É calculado pela multiplicação entre a demanda média diária e o tempo de recebimento em dias.

 

  • Lead Time: é o tempo necessário para que o produto seja entregue ou para que um serviço seja finalizado a partir do momento em que se é feito o pedido.

 

  • Estoque máximo: é a quantidade máxima de produtos que deve ser mantida em estoque para evitar custos elevados de manutenção. O estoque máximo é a soma do estoque mínimo com o lote de reposição.

 

Ao aplicar estes conceitos, juntamente com as metodologias apresentadas, será possível ter um controle de estoque eficiente na sua empresa. Além disso, adotar um sistema visual que auxilie nas suas tomadas de decisões, como é o caso do Sistema Kanban, pode ser uma estratégia interessante. Esse sistema consiste em cartões e quadros que são dispostos de forma a facilitar a priorização de produtos e o gerenciamento de estoque. Como convenção, os cartões de cor verde representam o tamanho do lote de compra, os de cor amarela retratam o lead time de reposição e os de cor vermelha simbolizam o estoque mínimo.

Assim, diante de tudo o que foi exposto, fica muito fácil perceber a importância de ter um gerenciamento de estoque eficiente. Por isso, tendo como base todos os métodos apresentados, procure escolher o melhor para o seu negócio, garanta que esse modelo seja de fato implementado e você verá os resultados imediatamente.

 

Gabriela Escobar

Estudante de Engenharia de Produção e consultora do Grupo Gestão. Determinada e sempre em busca de novos conhecimentos. Valorizo todas as esferas da minha vida e procuro mantê-las em equilíbrio. Amo viajar e conhecer novas realidades.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem somos

Parte do Movimento Empresa Júnior, o Grupo Gestão é uma organização sem fins lucrativos, formada por alunos da Universidade de Brasília, com o propósito de impactar a sociedade através de uma consultoria empresarial inovadora.

BAIXE AQUI